Inicial O Escritório Localização Contato
Bom Dia, hoje é dia 23 de Maio de 2018
Áreas de Atuação Assessoria Jurídica Atualização Cadastral Consultoria Na mídia Notícias Artigos
Artigos - CRÔNICA DE UM FELIZ DIA INFELIZ
 
CRÔNICA DE UM FELIZ DIA INFELIZ
CRÔNICA DE UM FELIZ DIA INFELIZ

O sujeito acabara de ganhar uma bolada de modo fácil e imoral, mas enfim, era uma bolada quando comparada até mesmo ao seu padrão de vida na empresa.

Estava sempre sozinho. Advogado ou contador, quem sabe?

Assim que "retirou" a "grana", foi tomado ainda na porta do banco por um pensamento que atingiu-lhe em cheio a consciência (o pouco que ainda lhe restava).Olhou furtivamente para a calçada e num lapso de caridade observou uma pobre senhora ali assentada com as pernas em ferida. A mesma visão que lhe passara despercebida quando adentrou à agência para sacar a monta furtada da empresa em que trabalhava havia uns 10 anos e que não lhe reconhecia com o devido respeito. (desculpa fácil para o furto)

- Porque não dividir com esta infeliz senhora o dinheiro fácil que acabara de lhe abarrotar a pasta encaixada nas axilas? Isso parece confortar minha consciência!

E não é que o sujeito aladeou-se a uma pilastra do prédio, abriu sorrateiramente a sua pasta e dali retirou de si um pacote, nem prestou atenção de que valor estava se desfazendo e ao aproximar-se da velhinha, lhe entregou delicadamente a montoeira elasticada.

- Nossa, que foi que eu fiz?! Devo estar perdendo o juízo!

Mas de toda sorte, já havia se afastado da cena e a mulher outrora cabisbaixa já estava retomandosua cor, afinal, nunca tinha visto tanto dinheiro.

Outro dia tive notícias do sujeito, quando o porteiro do edifício me contou que o mesmo havia mudadode vez para o estrangeiro e que padecia de depressão, o por quê, não se sabia. Eu sabia.

Semanas depois ao visitar minha agência bancária, notei pela falta de uma pobre senhoraque naquela calçada já compunha a paisagem havia muitos anos com sua perna ferida.

- É senhor, veja como são as coisas. A mulher vivia ai a mendigar e a sofrer adoentada. Há alguns meses num é "qui" um sujeito engravatado "parô" do lado dela e lhe deu uma pacoteira. É isso mesmo, uma pacoteira de dinheiro presa num elástico. No dia seguinte a velhinha surtou, disse que ia pagar a todo mundo o que devia, ia fazer isso e aquilo. Animou-se. Emocionou-se e então, morreu. 

Me contava o guarda bancário.

- Morreu?- Isso mesmo dotô, morreu.

- De que afinal?

- Sei lá dotô, acho que foi de dinheiro.

E eu nunca mais perguntei, nem do "Robbin Wood assassino" e nem da velhinha plebéia que morreu de morte morrida.

Sei lá e nem quero.

- "Cê qué?"
Newsletter
Cadastre seu e-mail e receba novidades exclusivas.
Nome: 
E-mail: 
Cidade: 
8325 Repita o
código:
 
 
11 984771892
eduardo.amorim@aasp.org.br
Atendimento On-line

Eduardo Cesar Elias de Amorim

José de Amorim



Alameda Ribeirão Preto, 363
01331001 | Bela Vista | São Paulo

(agendamento prévio)
 
Sobre
- O Escritório
- Localização
- Contato
Mais
- Áreas de Atuação - Assessoria Jurídica
- Atualização Cadastral - Consultoria
- Na mídia - Notícias
- Artigos
 
Global Participações - Todos os direitos reservados.